Laboratório de Tecnologia Educacional [Labted]

Centro de Letras e Ciências Humanas [CLCH] - 2º andar

(43) 3371 4518  |  labted@uel.br

 

  • Facebook clássico
RSS Feed

Vocabulário racista: você pode estar usando sem saber

March 21, 2018

                  Dia 21 de março é o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial. Essa data foi criada, pois os mais de 300 anos de escravidão não se apagaram de uma hora para outra, eles ecoam ainda hoje. O Atlas da Violência 2017 do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública demonstra a discrepância entre assassinatos de negros em comparação com outras raças – branca, amarela e indígena – no Brasil: a cada 100 pessoas assassinadas, 71 são negras.

 

                 Uma das formas de perpetuar essa cultura de submissão e inferioridade negra impostas no passado é a utilização de palavras e expressões com conotação racista. Muitas delas naturalizadas e utilizadas sem a devida reflexão. Criadas na época escravocrata para inferiorizar e dominar negros, hoje elas reatualizam essa opressão.

Conheça alguma delas.

 

 

 

Da cor do pecado

Utilizada como elogio, essa expressão representa uma ofensa racista mascarada de exaltação à estética direcionada a negros, principalmente às mulheres negras associando-as ao imaginário da mulher negra sensualizada. Num país, cuja sociedade é pautada na religião em que pecar não é algo positivo, ter a sua pele associada ao pecado significa que ela é ruim.

 

Cor de pele

Aprende-se desde criança que "cor de pele" é aquele lápis meio rosado, meio bege. É evidente, contudo, que esse tom não representa o tom de pele de todas as pessoas. Nomear a cor clara (rosa/bege) como "cor de pele" a transforma na cor "natural", "correta" e, por sua vez, as outras cores em “erradas” ou “não naturais”.

 

Denegrir a imagem

Denegrir é utilizado como um sinônimo de "difamar". É uma palavra vista como pejorativa, porém o seu real significado é "tornar negro". Se tornar algo negro é ruim e maldoso, temos aí um caso de racismo.

 

Serviço de preto

Essa expressão é usada para desqualificar um determinado trabalho, refere-se a uma tarefa mal feita, realizada de forma errada, em uma associação racista ao trabalho que seria realizado pelo negro. Nessa, como em outras situações, a palavra preto ou negro aparece como algo ruim.

 

Mercado negro, magia negra, lista negra, ovelha negra

Entre outras inúmeras expressões em que a palavra “negro” representa algo pejorativo, prejudicial e ilegal.

 

Inveja branca

A ideia do “branco” como algo positivo reforça a associação entre “preto” e “negro” como negativos.

 

Tem um pé na cozinha

A cozinha, durante o período escravocrata, era onde as mulheres negras tinham a permissão de ficar na casa grande. Esse fato, e essa expressão criaram um imaginário que associa a mulher negra ao serviço doméstico. Assim, “ter um pé na cozinha” faz referência a “ter origens negras”.

 

A coisa tá preta

Usa-se essa expressão para se referir a algo que não está agradável, que a pessoa gostaria que estivesse diferente. Mais uma vez, associa a palavra “preto” à algo ruim, negativo.

 

Cabelo ruim, Cabelo de bombril, Cabelo duro

Essas expressões são formas de depreciação e negação da estética negra ao referir-se ao cabelo afro como algo ruim. Por vários séculos causaram, e até hoje ainda causa, a negação do próprio corpo e baixa autoestima entre mulheres negras. Falar mal de características da aparência associadas a uma raça, é racismo.

 

Eu não sou tuas negas

A mulher negra como “qualquer uma” ou “de todo mundo” indica a forma como a sociedade a percebe. Escravas negras eram literalmente propriedade dos homens brancos e utilizadas para satisfazer desejos sexuais, em um tempo no qual assédios e estupros eram ainda mais recorrentes. Portanto, além de profundamente racista, o termo é carregado de machismo.

 

Negro (a) de traços finos, Moreno (a)

Quando o imaginário associa “negro” e “preto” a algo ofensivo, os atenuantes “moreno”, “mulato” são utilizados. “Negro de traços finos” segue a mesma lógica do embranquecimento, clareamento do negro.

Negro e preto não são coisas ruins, não é preciso “amenizar” essas palavras.

 

 

Fonte: GELEDÉS Instituto da Mulher Negra e Modefica

 

 

Please reload

Posts em destaque

Curso de Tutoria - ÚLTIMAS VAGAS - Gratuito e 100% a distância

April 5, 2017

1/9
Please reload

Posts Recentes

November 5, 2019

October 18, 2019